Visitar um lugar novo sempre é importante, por trazer mais conhecimento. Porém, essa visita pode se tornar ainda mais interessante se o espaço visitado for cercado de teorias da conspiração, história, beleza e memória de um político importante para o nosso país. É o caso do memorial JK, que mostra a vida e o trabalho de Juscelino Kubitschek, por meio da arquitetura de Oscar Niemeyer.

Porém, se você imagina que o museu conta apenas a história desse político, engana-se. Existe mais um motivo para o lugar ser conhecido de perto: o espaço também conta sobre a vida de muitos que vieram para Brasília nos primeiros anos da capital.

O projeto arquitetônico, inaugurado em 1981, e que até hoje levanta suspeitas de ser uma enorme projeção comunista, tem um acervo pessoal, fotos, biblioteca, sala de metas, maquetes etc., que são praticamente itens obrigatórios de visitação para entender melhor sobre a construção do espaço. Ficou curioso e quer saber mais sobre a história do memorial JK? Continue a leitura e veja o que visitar!

Sala de Metas

Ao passar pela portaria do museu você conhece um túnel com diversas fotos do ex-presidente e sua família em diferentes momentos da vida. Ainda no primeiro piso, o que interessa ao visitante fica à esquerda da entrada, ao começar pela Sala de Metas, onde ficam guardadas as 30 propostas de JK para seu período na presidência. Elas foram separadas em cinco grupos: energia, transporte, alimentação, indústria de base e educação. Ao lado dessa sala fica a Biblioteca JK.

Biblioteca JK

O espaço armazena mais de 30 mil livros que o ex-presidente acumulou ao longo de toda a sua vida. Entre eles, uma coleção de Shakespeare que JK ganhou da rainha da Inglaterra e outras obras escritas pelo próprio político. O lugar tenta servir como uma reprodução da biblioteca particular do antigo apartamento de JK no Rio de Janeiro.

Maquetes

Ainda na entrada do museu, é possível ver também uma maquete tátil do prédio do memorial e dos seus arredores, voltada para pessoas com deficiência visual. Além disso, todo o conteúdo do memorial JK pode ser visualizado por pessoas portadoras de deficiência auditiva e motora, o que garante uma acessibilidade como poucos museus no mundo.

Além da maquete, outros recursos utilizados para essa adaptação foram o texto em braile, as placas em ambientes, as legendas de fotografias, o piso de alerta tátil e o mobiliário com altura compatível para cadeirantes.

Há ainda outros acervos dentro do memorial JK dignos de apreciação como as vestes, os vídeos e as fotos do dia da inauguração da capital. Também, os restos mortais do ex-presidente, localizados na Câmara Mortuária onde ele está enterrado. O segundo andar é onde você pode encontrar esses elementos.

Para que tudo isso seja apreciado mais assertivamente, uma sugestão é a contratação de uma empresa que realize tours. Desse modo, a qualidade das informações fica garantida.

Agora que você sabe mais sobre a essência do memorial JK, entre em contato com a gente para conhecer nossos serviços e agendar seu passeio privado com nossos guias exclusivos!